terça-feira, 18 de agosto de 2009

O horóscopo

Eu sempre leio o Horóscopo do dia. Não sei porque, mas sempre leio.
O meu hoje tá razoável: autoconfiante no trabalho e favorável ao amor. To com um pouco de preguiça e não me vejo tão disposta pra nenhum dos dois. Mas o tempo tá virando. Meu humor pode virar também.

Eu não consigo parar de ouvir Maria Gadu. Eu até poderia me salvar ouvindo o CD da Pitty, mas lógico, esqueci na casa da Pollets. Oh, Céus!

Achei que ia acordar com dor hoje. Acordei foi com preguiça. Dormi mais 14 minutos. Sempre quebrado mesmo. 14. 6:19 de pé e 7:20 no Fundão.
Reajustando o roteiro, a rotina. Devo nadar as 11 e malhar as 16. Buscando disposição pro FPP2009.

Seis solteiras em Paraty. Metade fechamento. A outra metade ainda não identifiquei. Frase da viagem: "eu não valho nada, mas você vai gostar de mim..."
Quem lê até pensa...
Vâmo que vâmo!

segunda-feira, 17 de agosto de 2009

Voltando a alguma rotina

O porre de praia nos últimos dias de férias foi tanto que já tô ressacada. Com ressaca e abstinência. Não resisti. Me afundei no vício. Fui nadar. Em 20 minutos. Era o que eu tinha de folga até o horário do almoço. Continue a nadar, continue a nadar. Continue a Nadar, Nadar... nadar...
Ai. Se era pra ser peixe, virei mais uma ave. Minha asa dói. Meu abdómen tava doendo, mas passou já. Total sem fôlego que eu tô. Total sem condicionamento.

Por que eu insito em achar que sou atleta? Tá, eu assumo: eu gosto de ser atleta. Mas isso dói.
Cheguei na academia. Pela primeira vez, cumprindo minha promessa de retorno de férias. Coloquei o topzinho, a bermudinha, a blusinha e o ... ué... cadê o tênis?
Ahhh não! Não me diz que eu esqueci o tenis. Shit. Vou ter que pedalar. Burra 3 vezes.

Pedalando em velocidade 4 uhuuul. Genial. Comecei hoje e tá na velocidade 4. ah hááá. uh huuuL. Qual é a máxima? Ahn.. Ben.. viticico. Ahn? nha... 25! hahaha
Em 5 minutos fazendo isso, eu quase me acostumo. Mas eu queria era correr. Fiquei frustrada. Em pouco tempo se aproxima um professor. O cara era novo. Ou eu que já tava nova na academia. Sei lá, fazia uns 3 meses que não dava as caras por lá. Enfim, o cara simpático. Alegre (ui). Perguntou se eu não gostaria de fazer aula de Jump. Bom... eu lembro que - na época que eu era sarada - tentei fazer essa aula e quase infartei. 215 BPM. Pensei. Aqui é chato. Lá é chato. Ele reforçou, dizendo que lá perde mais. É jogo baixo. Enchi minha garrafinha amiga e fui.

Ué, cadê a aula? Duas pessoas na sala? Uma professora e uma aluna. Ahn, menos mal. Peraí. Vai todo mundo da academia ficar vendo pela parede de vidro mesmo. É sério? Nçao, brincou. Ahn. É sério... ahn. tudo bem. Sobrevivo.

Sem comentários. Sai de lá vendo tudo rodar. Pra melhorar, a Erica ainda me colocou pra fazer 3 séries de abdominal.
Gente, calma! To voltando hoje.

To aqui toda torta - e troncha - esperando começar a aula, porque meu liiiiindo professor de Cálculo II me falta numa segunda feira e não avisa. Infeliz. Podia ter ido no Futebol.


Esperando a primeira dama pra comer algo. Pensando na vida e nos últimos dias. To aqui feliz. Feliz por mim. Feliz por meus amigos.

E pra amanhã. Ai... mais piscininha e muay thai.
Que a força esteja comigo.

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Claro Conselhos

Segunda, combinei de sair terça (ontem/hoje?) com Primeira Dama. Saímos, foi maravilhoso. Pena que com ela é sempre assim: oi = ótimo, tchau = uma merda. Essa inconstância que é o problema. Confesso: vai ser bem difícil achar alguém igual em determinados quesitos. Mas a ausência... essa realmente abala todas as outras estruturas. Não dá mais. O vazio já corroeu metade do meu peito (a dramática).

Mas aí tem o outro esquema do ser indeciso. Ou seria decidido demais? Eu continuo achando que tem um gato dentro dessa bota, algum misterio a ser desvendado, sei lá. É, eu sou uma comédia, pode falar!
Mas também devo lembrar que desse mato não tem saído cachorro, e aí volto ao mesmo problema anterior: há vagas!

Total sem jeito com as mulheres.
Tô me sentindo que nem o meninindo do comercial da claro. Pra quem não lembra, segue:
video

Ouvi hoje um "mantenha seus pés no chão" que me fez pensar. E então percebi o que tá faltando.
Tá faltando aquela menina independente. Inteligente. A menina criança e adulta, da qual mamãe sempre se orgulhou. Tá faltando é vergonha na cara, acordar cedo e passar 2 horas no pump do NA ou NS.
Tá faltando curtir o dia e rir mais de mim mesma. Escrever mais, tirar mais fotos, dançar mais, beijar mais. Que nem as frases do sachet de açucar União. Tá faltando é união de mim comigo mesma.
Torcendo pra abrir um sol escaldante. Ir a praia. Tomar água de coco, dar uma corridinha, um mergulho. Ler um bom livro. Companhia nunca foi problema pra mim, não tô entendendo o porquê tô deixando me abater agora.

Segundo o Climatempo, amanhã dá sol. Ainda bem que eu desisti da metereologia, e tô na área de exatas. Segundo minhas estatísticas, é possível mesmo que role uma praia amanhã. Todos convidados! ;]
Vâmo ser se um porre de sol, Geral II + Probab I resolve meu problema.

sábado, 8 de agosto de 2009

O novo. O Contraditório.

Faz uns dias que eu senti na pele uma famosa frase de losers: Os bonzinhos só se fodem!

Um dia você está vivendo sua vida normal, na rotina normal: trabalha, vai a academia, futebol de vez em quando, toma uma cerveja aqui, outra ali...
Um belo dia a rotina vai arredondando, o futebol acaba não ficando tão esporado assim, o chopp acaba se tornando tão agradável que se estende de 2 para 4 dias na semana...
Pronto: você continua na rotina, mas uma nova rotina. Os rostos mudaram um pouco, você passa a se tornar mais intimo de amigos novos, os amigos intimos passam a ter boas novas nas quais você não participou.
A essa altura, não dá pra se dizer quais mudanças foram boas, afinal, tudo que é novo, não é bom ou ruim, é apenas novo.

Vamos a rotina do novo: O novo é novo, é interessante e agradável. E então o que era novo, acaba deixando de ser novo e passa a ser, apenas, interessante, ou agradável (ou não!).
As novas escolhas vão se fazendo, as novas panelas vão se formando e você, sem perceber, acaba se tornando novo...
Eu, que sempre tive um prazer oficial em agradar os outro, em fazer amigos, continuo com minha velha mania de me empolgar demais.
Os novos amigos me parecem SUPER amigos, e minha sensação agradável em um ambiente, quase me faz pensar que o ambiente é agradável.
O novo vira mania. O ocasional vira vício.

Quando você percebe, as pessoas que surgiram do novo, se fazem presente e vocês tem tanto em comum, que não dá pra acreditar que elas só estejam na sua vida agora. O que fazer? Aproveitar.
A rotina muda: Um cinema, um novo dia ou lugar de chopp. Um almoço, um jantar. Uma partida de futebol pela TV. A troca, ou intercambio, divisão... o compartilhamento de amigos. E aí, pronto: Seu novo amigo vira o mais novo membro da sua galera.

Um novo nome pra aparecer na mesa do bar, no almoço de família, na história, nas viagens. Mais um nome na agenda de telefone - já que meu pai faz questão disso.

E daí que um determinado nome sobressai em relação aos demais. O vício agora é aquele nome. É repetitivo, é desgastante. Mas é bom... é gostoso. Bastante agradável.
A convivência, a divisão... a amizade. Verdadeira.

O apego vira afeto. afeto: inclinação, simpatia, amizade, amor...
O afeto traz a lembrança. O afeto faz a falta.
E da falta, surge a vontade de ver, rever. A falta faz a dúvida.

O afeto traz a vontade e a dúvida. A dúvida, reforça o afeto. E gira, e gira, e cresce. O afeto, e a dúvida.
O afeto toma posse. A dúvida te vence pelo cansaço.

Sem saber o que fazer agora. Sem saber se tem o que se fazer agora. Só me resta viver o novo, a rotina, e o que mais vier pela frente.
Um não nunca será resposta definitiva.